Imagem ilustrativa

A Defensora Pública do Paraná Camille Vieira da Costa conseguiu uma decisão favorável, na 19ª Vara Cível de Curitiba, para que um menino autista, de 11 anos, tivesse a cobertura do plano de saúde ampliada para realizar os tratamentos necessários para a doença.

A.L* precisa de acompanhamento médico permanente. Ele realiza, semanalmente, terapias de psicopedagogia, psicologia e fonoaudiologia que eram cobertas pelo plano de saúde de forma limitada.

Ao todo, a empresa disponibiliza 40 sessões anuais para esses tipos de tratamentos. Por isso, A.L* também faz terapia ocupacional e hidroterapia sem o custeio do plano.

“A mãe do A.L* veio buscar a ajuda da Defensoria porque o plano de saúde restringiu muito a cobertura do tratamento, limitando o número de consultas. Com a decisão conseguimos que as terapias que já eram realizadas com o auxílio do plano de saúde de forma reduzida passassem a atender o menino de forma mais ampla, incluindo a terapia ocupacional, antes custeada sem a ajuda do plano”, explicou Camille.  

Como o pedido foi uma tutela de urgência, a determinação precisa ser cumprida pelo plano de saúde a partir da decisão.

“Como a questão do autismo ainda gera muitas dúvidas, acredito que essa decisão positiva pode ajudar no entendimento do tratamento da doença e cooperar para futuras resoluções”, complementou a Defensora.